Miguel Oliveira quinto

Com uma má qualificação que o colocou no 18º lugar da grelha, Miguel Oliveira fez uma brilhante prova para terminar não só nos pontos, mas para fechar a lista dos cinco primeiros. Uma queda a meio da corrida levou a uma nova partida que foi bem aproveitada pelo piloto português.

130421_MOliveira_Americas_1.jpg


Depois da difícil qualificação, em que terminou em 18º, Miguel Oliveira sabia que tinha uma corrida complicada pela frente e apontou um resultado nos pontos como o objectivo para este domingo, além de começar já a olhar para as próximas provas. Contudo, o jovem da Mahindra Racing fez uma brilhante prova para terminar não só nos pontos, mas para fechar a lista dos cinco primeiros.

O português já tinha mostrado significativas melhorias de ritmo durante o warm-up da manhã e durante a corrida desta tarde deu tudo de si para apresentar uma prestação de luxo. Oliveira ganhou nove posições até à 12ª volta, altura em que a prova foi interrompida com bandeira vermelha devido à aparatosa queda do holandês Jasper Iwema, mas o dia não estava ainda terminado. Sem que os pilotos tenham atingido o mínimo de dois terços da distância, a Direcção de Corrida ditou novo procedimento de partida para um sprint de cinco voltas. Desta feita em nono da grelha, o jovem de Almada manteve a calma e arrancou bem para os derradeiros 27,5 km competitivos onde tudo estava em jogo.

Mantendo o mesmo nível de prestação e ritmo apresentado na primeira parte da corrida, em que o seu andamento só foi superado pelos três primeiros, Miguel Oliveira deu continuidade à recuperação e acabou mesmo por melhor o resultado que tinha conseguido na ronda de abertura da época, há 15 dias no Qatar, para terminar num brilhante quinto posto, o que faz dele o melhor piloto não KTM, tanto na corrida, como na tabela de pontos, onde também ocupa o quinto posto.

“Estou bastante satisfeito com o resultado da corrida. Depois de dois dias de trabalho conseguimos encontrar uma solução mais ou menos equilibrada do chassis,” começou Miguel Oliveira. “Também conseguimos fazer boa partida; as primeiras voltas foram complicadas porque tinha de aquecer bem o pneu dianteiro. Mas acabou por ser uma boa corrida.”

“Na primeira estava a apanhar o quinto classificado, a rodar cada vez mais rápido e o pneu estava a ficar cada vez melhor. Na segunda corrida, com apenas cinco voltas, tinha de ser agressivo, sair bem e arriscar tudo nas travagens – que era onde conseguia ganhar mais tempo. Na última volta sabia que conseguia chegar à quinta posição e acabámos por recuperar 13 lugares numa pista e numa corrida muito complicada para a nossa moto. Foi um resultado muito positivo, mas agora já estamos a pensar em Jerez, uma pista onde temos uma base muito boa.”


Publicado em 2013-04-22 17:04:00