Aprilia SRV 850, na prática



Embora sendo uma scooter, em cidade o tamanho da SRV pode causar algumas dificuldades. Entre a SRV 850 e uma desportiva de grandes cilindrada as principais vantagens da italiana passam pela posição de condução e caixa automática. Por baixo do assento existe o espaço de arrumação que recebe um capacete integral. Não é muito espaçoso mas este é o preço de ter um motor bicilíndrico em "V" de 839 cc por baixo de nós. No campo prático a SRV perde quando comparada com outras scooters de grande cilindrada, mas o seu foco é bastante diferente.

O painel de instrumentos oferece uma boa quantidade de informação e temos de destacar a existência de um sistema de travão de estacionamento, que evita que a SRV "fuja" nas descidas por não se poder deixar uma mudança engatada. Este travão é operado por uma alavanca colocada na zona frontal por baixo do guiador, com umas dimensões que evita esquecimentos.

Os consumos nunca se revelaram demasiado elevados, cotando-se por volta dos 6 litros ou um bocadinho abaixo. O que não tem explicação possível é a dimensão da reserva. Quando temos indicação de entrada na zona de "segurança" do depósito temos de ser mesmo muito cuidadosos se quisermos completar 20 km. Há muitos anos que não ficava parado na estrada e durante a semana que andei com a Aprilia SRV 850 fiquei duas vezes. A autonomia total ultrapassa os 200 km, mas se abusarmos do bicilíndrico este valor evapora-se rapidamente.
 

 


Publicado em 2013-01-10 11:01:00