Panigale 899, a peso leve

Usando toda a tecnologia desenvolvida para a Panigale maior, a Ducati criou e apresentou agora a versão reduzida, que ainda assim é uma moto impressionante, com quase 150 cv, Quick Shift e ABS de série. Com uma ciclística única, dimensões e peso reduzidos a Panigale 899 é deverá ser a opção mais equilibrada para quem quer explorar as estradas de montanha.




Características
Preço: n.d.
Cilindrada: 899 cc
Potência: 148 cv
Peso: 169 kg
 
Destaques
Acelerador Ride-by-wire
Sistema ABS e quick-shift de série
Quadro monocoque, motor como reforço
Disponível no final de Outubro

Galeria de Imagens


Fonte: Ducati

A já esperada Ducati Panigale 899 foi apresentada em Frankfurt no IAA International Motor Show. Segundo Claudio Domenicali esta é apenas uma primeira amostra dos modelos que a marca tem para estrear em 2014.

Esta nova superdesportiva da Ducati recebe todo o DNA criado para a Panigale maior de Superbikes. Toda a tecnologia da ciclística e motor são aqui replicadas, no caso do motor com uma menor cilindrada que, reduzindo em pouco as prestações, aumenta a suavidade de funcionamento, segundo a marca. A avaliar pelo que se passava com geração 1198/848, esta será sem dúvida a unidade mais agradável de explorar em estrada.

O motor é uma “Superquadro” cuja a arquitectura foi toda pensada para que este possa ser um elemento estrutural do quadro. Na distribuição um sistema de corrente e engrenagens garante o preciso funcionamento do sistema Desmo, e reduz os custos de manutenção. Na transmissão a embraiagem é em banho de óleo, com um sistema que aumenta a pressão nos discos em aceleração e permitem o deslizamento em reduções mais fortes. Este motor é capaz de produzir 148 cv às 10750 rpm, com um binário de 98 Nm. A utilização de um sistema electrónico de acelerador, ride-by-wire, melhora o comportamento da resposta do motor, e permite a existência de diferentes curvas de resposta do mesmo, com diferentes níveis de potência.

O quadro é uma estrutura monocoque em alumínio, muito leve e compacta, já que faz uso do motor como elemento de reforço. Serve ainda como caixa de ar, recebendo no seu interior os corpos da injecção e circuito de combustível. É o fundo do depósito de combustível que serve de tampa à caixa de ar, um forma muito pratica de reduzir peso e tornar tudo muito mais compacto. As suspensões são uma forquilha Showa Big Piston Fork de 43 mm, enquanto que atrás o amortecedor é Sachs, montado lateralmente. Na travagem são utilizados pinças Brembo monobloco na frente ligados a um sistema ABS Bosch 9MP de ultima geração, que está ligado ao sistema de gestão da moto com três níveis diferentes de actuação. No modo Race, apenas actua sobre a roda dianteira para permitir maior liberdade de pilotagem aos pilotos mais experientes.

A Panigalina, como já lhe chamam, irá estar disponível em Novembro, e o seu preço deverá ficar entre os 15.500 e os 15.700 euros.
 

 


Publicado em 2013-09-10 11:09:00